A disfunção erétil e as doenças cardiovasculares

A disfunção erétil e as doenças cardiovasculares
5 (100%) 28 votes

A maioria dos homens desconhece que há uma relação entre a disfunção erétil e as doenças cardiovasculares. Grande parte deles, ao apresentar impotência sexual, por vergonha, evitam visitar o médico, o que pode ocasionar outros problemas.

Hoje em dia sabe-se que há uma relação íntima na presença de impotência sexual e o aumento de doenças cardiovasculares, da mesma forma que ocorre também o contrário, quando a doença cardiovascular pode provocar a disfunção sexual.

Existe cura para a ejaculação precoce?

Neste artigo vamos descrever os principais problemas ocasionados pela combinação desses dois fatores e suas implicações que afetam todo o organismo masculino.

A disfunção erétil e as doenças cardiovasculares

A relação entre disfunção erétil e as doenças cardiovasculares

Segundo diversos estudos homens que apresentam disfunção erétil tem maior risco de apresentar problemas cardíacos. Lembrando que o bom funcionamento do sistema cardiovascular é essencial para que o homem consiga ter uma ereção.

Estudos da Universidade Nacional da Austrália identificaram que homens acima de 45 anos com disfunção erétil, tem oito vezes mais chances de apresentar qualquer tipo de doença cardíaca.

Sexo depois dos 60 anos

A relação entre doenças cardiovasculares e disfunção erétil são os motivos orgânicos da impotência sexual, que por sua vez corresponde há 80% dos casos de disfunções sexuais.  Confira os principais fatores:

– Tabagismo: fumar é um dos fatores de risco para que um homem apresente disfunção erétil vascular. Substâncias presentes no cigarro diminuem a produção de óxido nítrico, um neurotransmissor essencial no processo de ereção.

A nicotina, também presente no cigarro, contrai a musculatura dos vasos presentes dentro dos corpos cavernosos do pênis, o que diminuem a movimentação sanguínea na área.

– Colesterol alto: a presença de altos níveis de colesterol no sangue, ou hiperlipidemia, aumenta a gordura no sangue o que prejudica a circulação sanguínea em todo o corpo, inclusive no pênis durante a ereção.

– Aterosclerose: a causa mais comum da disfunção erétil. Esta condição se caracteriza pelo acúmulo de placas de gordura nas artérias. Quando o homem possui aterosclerose há uma diminuição do diâmetro das artérias e dificuldade de manter o fluxo do sangue.

No pênis isso altera os níveis do ácido nítrico o que prejudica a entrada sanguínea nos corpos cavernosos, cuja consequência final é a  impotência sexual.

Saiba Mais Sobre: Benefícios do Epimedium

– Diabetes: pessoas com diabetes possuem o processo de aterosclerose mais acelerado e alterações nos corpos cavernosos penianos. Estima-se que diabéticos possuem três vezes mais chances de disfunção erétil do que uma pessoa que não apresenta a doença.

– Hipertensão arterial: uma doença que prejudica os homens de duas formas quando o assunto é disfunção erétil. A hipertensão dificulta a ereção e os medicamentos usados para o seu controle também colaboram para isso.

A disfunção erétil e as doenças cardiovasculares

Eliminar estes fatores da rotina diária é uma forma de evitar a disfunção erétil e as doenças cardiovasculares, ao mesmo tempo, ou contribuir para que as duas nunca se desenvolvam.

Para isso, os homens que apresentam alguns dos fatores de risco devem modificar hábitos na sua rotina diária, seja para prevenir ou eliminar a disfunção erétil e ter uma vida sexual saudável.

A melhor forma de realizar essas mudanças é apostando em uma alimentação balanceada e na prática frequente de exercícios físicos. Assim como, deve se evitar o consumo de álcool, o uso de cigarros e drogas.

A ausência de ereção é comum em alguns casos, porém quando se torna habitual deve ser analisada de perto por um médico especialista. Que poderá auxiliar pedindo os exames necessários para uma avaliação da saúde geral do paciente.

A disfunção erétil e as doenças cardiovasculares possuem os mesmo fatores de risco para que ocorram o seu desenvolvimento. Muitas vezes a dificuldade em manter uma ereção é o indício de que o homem possui alguma doença cardiovascular. Por isso a importância do acompanhamento médico.

Clique aqui e confira mais artigos como esse

Deixe seu Comentário