Disfunção erétil: tratamento pelo SUS

Disfunção erétil: tratamento pelo SUS
3.3 (65%) 4 votes

Para grande maioria dos homens ter uma qualidade de vida sexual boa é uma condição extremamente importante para garantir a sua autoestima e confiança. Entretanto, no universo masculino é comum encontrar problemas relacionados a sexualidade, como, por exemplo, a disfunção erétil.

Essa situação atinge muitos homens que sofrem com a incapacidade de conseguir manter uma ereção rígida, de modo que a sua relação sexual fica comprometida. E tal problema não para por aí, pois isso acaba afetando outros setores da vida do homem e se tornando um fardo no seu convívio pessoal.

Felizmente, o tratamento para essa condição agora já está disponível no Setor Único de Saúde – SUS, possibilitando com que o público masculino que apresenta esse diagnóstico possa ser tratado de forma correta e receber todo a assistência necessária para garantir a sua qualidade de vida.

Formas de aumentar o pênis

Dessa forma, se você quer saber mais sobre as causas e fatores de risco de uma disfunção erétil e o tratamento oferecido pelo SUS, continue acompanhando esse artigo e confira todas as informações a respeito desse problema que acomete muitos homens nos dias de hoje.

Disfunção erétil: tratamento pelo SUS

Entendendo melhor sobre o problema de disfunção erétil

A sexualidade é um tema um tanto quanto delicado e decisivo na vida de um homem, ainda mais quando se trata do seu desempenho sexual. Diante disso, uma questão que está bem presente no dia a dia do público masculino é a disfunção erétil, que compromete os relacionamentos sexuais de muitos.

O processo de ereção é dependente de diversos fatores e funções do organismo, que vai desde órgãos até tecidos, com isso, a falha de um pode comprometer todo o sistema e causar o problema de disfunção. Assim, as causas dessa impotência podem ser originadas por diversos motivos, como:

  • Danos e distúrbios psicológicos, bem como doenças neurológicas;
  • Problemas hormonais, como diminuição da testosterona, diabetes e distúrbios endócrinos;
  • Problemas vasculares, que estão relacionados com o entupimento de veias e artérias e também hipertensão;
  • Uso abusivo de medicamentos;
  • Realização de cirurgias na região pélvica;
  • Uso excessivo de álcool e cigarro;
  • Obesidade e sedentarismo.

Ainda vela lembrar que ocorrer falhas de ereção durante uma relação sexual é algo totalmente comum. Isso só se torna um problema que deve ser tratado quando acontece com frequência. Assim, o primeiro passo para começar o tratamento é contar com um diagnóstico correto.

Mitos sobre a ejaculação precoce

Atualmente, os homens que não apresentam condições ou não querem ter gastos com médicos particulares já podem procurar pelo Sistema Único de Saúde – SUS para realizar todos esses procedimentos diagnósticos e sem precisarem desembolsar nenhum dinheiro.

Disfunção erétil: tratamento pelo SUS

Nos hospitais públicos, além do tratamento de impotência sexual, que é feito através de um diagnóstico clínico, o paciente também conta com serviços de vasectomia, cirurgias de próstata, acompanhamento de especialistas e os medicamentos necessários para tratar a doença.

Após feito o diagnóstico e identificação dos fatores de risco, o paciente inicia o seu tratamento para controlar essas condições e também com o uso dos medicamentos orais receitados pelo médico, sendo os mais comuns os inibidores da fosfodiesterase tipo 5.

Epimedium sagittatum

Em casos que os remédios não apresentam efeito para a resolução do problema é possível recorrer a outros métodos como a bomba a vácuo, injeção para dilatar os vasos e por último recorrer a prótese peniana.

Mas vale lembrar que o tratamento da disfunção erétil deve ser feito sempre com o acompanhamento de um médico especializado, como os do SUS e também ser divido com a sua parceira para que os dois, em conjunto, possam avaliar a relação do casal e identificar os principais problemas que estão impedindo de ter uma melhor qualidade de vida sexual.

Confira aqui mais artigos como esse

sem resposta

  1. Wagner marinucci 05/07/2018

Deixe seu Comentário